Um grande estudo Toshiba revela, entre outras conclusões, que 76% das organizações europeias aumentaram os seus orçamentos de TI este ano


comunicado de imprensa:

A Toshiba revelou hoje que os orçamentos de TI aumentarão em cerca de 76% das organizações europeias este ano.

Este crescimento do investimento está diretamente ligado ao número de trabalhadores remotos nessas organizações, indicando que estes aumentos se prendem com os investimentos em novas soluções e tecnologias.

Este estudo efetuado junto de mais de 1000 decisores de negócio seniores de TI de grandes e médias empresas e organizações, foi conduzido em parceria com Walnut Unlimited; demonstra que as prioridades deste investimento estão focadas na segurança de dados (62%), em soluções cloud (58%) e melhoria de produtividade (54%).

Estes resultados, quando comparados com as respostas do mesmo estudo promovido pela Toshiba em 2016, vê-se que os gastos em segurança de dados aumentaram (54% em 2016), bem como na adoção de soluções cloud, aumentando para 58% em comparação com os 52% de 2016.

Enquanto todos os mercados incluídos no estudo (Reino Unido, Alemanha, Espanha e Benelux) viram o aumento do investimento em TI, Espanha apresentou os resultados mais díspares, com 86% das organizações a indicarem um forte aumento no investimento em TI durante os próximos 12 meses.

Semelhantemente, o setor de transporte e logística é o que mais reforçou o seu investimento (69%), enquanto as organizações da administração pública são os que menos irão reforçar (52%).

Portugal vê menores taxas de investimento em TI
Comparando os dados deste estudo com os dados apresentados pela IDC, que indicam somente 48% das organizações portuguesas irão reforçar o seu investimento de TI, vemos que as empresas em Portugal continuam desalinhadas com as tendências europeias de crescimento dos orçamentos de TI, mesmo que no computo geral signifique um crescimento médio de 4% ao ano até 2020.

Preocupações com segurança e evolução de padrões de trabalho
A possibilidade de oferecer aos trabalhadores flexibilidade aos seus padrões de trabalho continua a ser uma forte preocupação das organizações europeias.

O mesmo estudo revela que 68% dos inquiridos afirma que tem cerca de um décimo da força de trabalho a trabalhar principalmente em viagem ou sem um local fixo.

Este aumento da força de trabalho flexível é um driver claro de suporte das três principais prioridades de investimento que são segurança de dados, soluções cloud e melhoria de produtividade. Quando questionados sobre as prioridades para melhora de produtividade para as equipas de trabalho móveis, quase metade (47%) dos inquiridos indicou que mais e melhor formação para os colaboradores é fundamental e crítico, com 43% das respostas a afirmar que a adoção de ferramentas digitais inovadoras são a sua prioridade.

Tecnologia para apoiar trabalhadores remotos
Para ajudar o colaborador a assegurar a sua produtividade, esteja ele onde estiver, existe uma mudança clara na forma como os decisores de TI estão atualmente a escolher as soluções a implementar nas organizações.

Atualmente, 61% dos inquiridos indicou que disponibilizam laptops para a sua força de trabalho móvel e 55% disponibiliza smartphones com soluções empresariais.

No entanto, quando questionados quais os equipamentos que mais serão utilizados nos próximos três anos, os smartphones estão equiparados com os laptops (38%) e as empresas apresentam um apetite voraz por novas tecnologias como dispositivos de mobile edge computing (10%) e soluções thin/zero client (9%).

As grandes empresas (com mais de 500 empregados) estão prontas para liderar a adoção de wearables no local de trabalho, com 24% a prever que as soluções de smart glasses irão começar a ser implementadas nos próximos 12 meses.

Isto comparado com somente 16% das respostas de empresas com uma força de trabalho entre 100 e 499 empregados. 82% dos inquiridos prevê que os smart glasses serão introduzidos naturalmente nos seus processos de negócio nos próximos três anos.

Os impulsionadores por detrás desta mudança relativamente ao uso e adoção de smart glasses empresariais prendem-se com a implementação do 5G, como referido por 40% dos inquiridos.

Mais ainda, 50% desta força de trabalho está concentrada no setor de indústria que ganhará elevados níveis de produtividade com a funcionalidade de mãos livres.

Maki Yamashita, Vice President, B2B PC, Toshiba Europe comenta, “Enquanto que as tecnologias disponíveis para os trabalhadores está em constante evolução, é realmente interessante ver que os principais desafios que os decisores de TI enfrentam mantém-se relativamente constantes quando comparados com as suas opiniões em 2016. As organizações estão constantemente a analisar a melhor forma de alcançar o equilíbrio entre a necessária produtividade móvel, enquanto protegem a sua infraestrutura de TI da forma mais robusta possível. Novas soluções estão a chegar ao mercado empresarial e estão a apoiar a alcançar estes objetivos, mas as equipas de TI necessitam focar-se nos variados desafios e benefícios de cada um dos departamentos para definir qual a melhor forma de fazer estas soluções funcionarem para o seu negócio.”

Os resultados mais detalhados e informações adicionais encontram-se neste estudo da Toshiba, que se encontra disponível para download aqui.

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Análises – reviews

Breves

Siga o VoiceBox, um blogue de João Gata