Test Kitchen é uma iniciativa inovadora que alia a experiência americana do Hard Rock ao sabor português da produção local


Vigésimo sétimo dia do nono mês do ano da graça de dois mil e dezassete: fui pela primeira vez ao Hard Rock Cafe de Lisboa. Não se espantem, conheço vários HRC por essa Europa, mas curiosamente, nunca tinha entrado no Condes depois de ter entregue a sua alma cinematográfica. Confesso aqui e agora, passei os primeiros anos a olhar sempre com mágoa a enorme guitarra que tomou o lugar dos espectaculares cartazes pintados à mão. Sim, sou de tal forma vintage que retenho essa memória.

Ao longo dos anos, e já lá vão 14 desde a inauguração que parou meia Lx, nunca acedi a um convite ou festa por este ou aquele motivo. A mágoa, entretanto, deu lugar à saudade e, recentemente, já nem isso, pois com a fúria hoteleira e turística que se abateu sobre o bairro central da capital, e depois de me terem levado o Eden e recentemente o Olympia (reservo direito de resposta aos comentários que adivinho e antecipo), já nada me importa. Mantenho a fidelidade de folhear as revistas ao lado do elevador que já não me transporta ao bairro e sou alegremente assaltado na esplanada defronte, qual turista simplório com a carteira cheia de éros (três águas e dois cafés, 7,20€). Só mesmo por imposição profissional me desloco às praças que amo e esta foi mais uma.

Hard Rock Cafe lisboa

Por tudo isto, acedi com vontade ao convite para degustar a nova grande aventura do espaço lisboeta, um dos 12 HRC escolhidos mundialmente (são 176, é obra), para ousar um menu diferente e constituído pela prata da casa, ou seja, produtos cá da nossa terrinha, desde o peixe mais fresquinho ao pão da padaria da esquina. Sim, os CEOs renderam-se aos “cantinhos das coisas boas” (nomenclatura da grande ÉmeJay que ilustra perfeitamente o nosso país) e querem apostar em iguarias com inspirações regionais feitas exclusivamente com ingredientes locais.

Como recusar um convite desta importância? pois que fui e pois que entrei. Fiquei a olhar, um pouco embasbacado, para a extraordinária estrutura de um dos cinemas mais bonitos que frequentei. Ok, posso até anuir que o espaço está cool, bem arranjado, e mantém aqui e ali a traça original. Pronto, HR, venceste esta primeira batalha. Vamos à segunda? “Os comeres”!

Ora esta iniciativa denomina-se Test Kitchen e convidou para o restaurante lisboeta, a superstar Filipa Gomes que, com o seu look rockabilly, aproveitou para reforçar o seu gosto pela cultura norte-americana. Escolha inteligente e certeira, esta, e como ela própria referiu, “juntou-se a fome à vontade de comer”. O pedido começou por ser um hambúrguer original bem português. A conclusão foram não um, mas quatro fórmulas mágicas que transportam Portugal ao palato dos convivas. São eles o “Ó Capitão“, “Mexerico“, “UltraTuga” e “Tropigalíssimo“.

Filipa gomes Test Kitchen

Antes de experimentar as quatro novidades, olhei para o menu. Afinal, antes do tetra ainda teria de encontrar espaço para as entradas e, atenção, para finalizar a experiência da Filipa, arrumava-se o assunto com mais um hambúrguer da casa, o muy famoso “7 Colinas” para tudo ser bem acamado pelo brownie com morango e digestivos. Não sei se alguém ainda teve coragem para esse ponto final, pois saí para vir aqui para a redacção.

O que dizer sobre as quatro criações da Filipa? Posso adiantar que são muito diferentes entre si. O Tropigalíssimo tem ananás grelhado, o SuperTuga junta o ovo estrelado à farinheira, o Mexerico seduz-nos com espargos verdes al dente e deixei para último o espectacular Ó Capitão que tem no atum o seu principal ingrediente e que me fez murmurar (não se fala com a boca cheia) “oh captain, my captain”. Só por este, a Filipa ganhou o céu, fora os outros que lhe abrem o caminho.

Foram, na boa das verdades, mini-hambúrgueres que ao terceiro já levantavam as sobrancelhas em arco com o pensar “oh meu deus” (em português fashion, OMG) mas a antecipação pelo sabor provou que os portugueses têm muito mais barriga que olhos! Garanto! E todas as meninas fizeram greve total às amarguras da famosa “linha a manter”. Bom, todas menos uma. Quem estava ao meu lado esquerdo não comeu os espargos do Mexerico.

Ah, deixem-me dizer ainda uma coisa: antes dos hambúrgueres vieram as entradas… quatro entradas….

Pronto, HR, também venceste a segunda batalha! Happy now? A hashtag deveria ser #ThisIsHard, não #ThisIsHardRock…

De longe veio também Darryl Mickler, Director Sénior de Pesquisa e Desenvolvimento Global do Hard Rock Internacional, que deus os parabéns ao restaurante lisboeta por ser nomeado e escolhido para esta aventura.

Para todos os que não estiveram presentes nesta saborosa experiência, saibam que podem escolher qualquer uma das criações da Filipa Gomes nos próximos tempos. Eles serão lançados mensalmente com pompa e circunstância! Mas o HRC dá uma ajuda a quem tiver problemas na hora de fazer o pedido. A restante prosa é da responsabilidade dos convivas! A eles!

(a ÉmeJay é a minha maior amiga, 1,81m)

O menu Test Kitchen Lisboa contempla opções como:

  • 7 COLINAS LOCAL LEGENDARY® BURGER – Feito à mão pelo mestre grelhador, este hambúrguer inspirado em Lisboa é coberto com presunto curado, queijo Flamengo derretido e um ovo estrelado, sobre uma cama de agrião, tomate e cebola roxa e servido num Bolo do Caco barrado com uma pasta de coentros e maionese.

  • LISBON SPICE – um cocktail feito com o típico Licor Beirão, enriquecido com uma pitada de gengibre, equilibrado pela amargura do limão e intensificado pelo sabor da hortelã. Inspirado nas tradições medievais portuguesas, o cocktail é servido num jarro de barro, que mantém a bebida fresca em todos os momentos. O jarro é feito à mão pela Arcil, uma Instituição Privada de Solidariedade Social sem fins lucrativos, que trabalha para a inclusão social de pessoas com deficiência e outras necessidades especiais.

  • Ó CAPITÃO! – o primeiro dos 4 hambúrgueres criados por Filipa Gomes estará disponível apenas durante o mês de outubro, e é um dos pouquíssimos hambúrgueres da história do Hard Rock Cafe que vem do mar. É feito à mão, com atum fresquíssimo dos Açores, cozinhado no ponto e servido em bolo do caco com tinta de choco, que abraça o conceito na perfeição.

O Hard Rock Cafe Lisboa pesquisou ao detalhe dezenas de fornecedores locais antes de escolher os parceiros para o lançamento do novo menu Test kitchen. Foram analisadas as suas boas práticas de fornecimento responsável, entre vários outros fatores. “O nosso objetivo primordial é o de combinar os melhores sabores e produtos nacionais com a tradicional culinária americana do Hard Rock, e acreditamos que os nossos fornecedores são os parceiros ideias para esta combinação. Selecionámos apenas ingredientes produzidos de maneira responsável e sustentável, por produtores que consideram o impacto ambiental e social durante todo o processo de fornecimento”, conclui Paulo Rodrigues, Diretor de Operações da Europa Sul.

Para mais informações sobre o Hard Rock Cafe e o lançamento do programa Test Kitchen aceda a www.hardrock.com

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Análises – reviews

Breves

Siga o VoiceBox, um blogue de João Gata