Panasonic LED TV VIERA TX-50CX800 6

Numa altura em que as marcas apresentam os novos super televisores com estruturas mais finas que smartphones, qualidade invejável com o sistema HDR, aposta nos ecrãs OLED e tudo e tudo, convém olhar para as propostas de topo com design e tecnologia mais “clássica” e com preços que podem ser uma extraordinária surpresa.

A Panasonic CX800 é uma dessas propostas, com um design típico da marca e algumas escolhas que obrigam a um certo enquadramento lá em casa. Tecnologicamente, é irrepreensível para o segmento onde está colocada, com direct LED, resolução 4K com o nova tecnologia 4K Pro e o novo processador 4K Studio Master. Para mais tarde, diz a Panasonic, vai surgir um upgrade para HDR, o que altera o valor deste televisor, transformando-o para melhor, muito melhor.

Visualmente, é muito elegante, extremamente bem construído, ou não fosse assinada por japoneses. Contudo, o suporte que é original e muito bem integrado no corpo do televisor, pode ser um problema: é que o desenho acompanha toda a largura da CX800 o que obriga a uma mesa que tenha essa dimensão (sensivelmente 1,5 metros para esta medida de 50″). Esse móvel deverá ser também mais baixo que o normal, pois a Panasonic mantém uma inclinação de 176º que é perfeita para quando está colocada numa mesa baixa ou mesmo no chão. Colocada numa mesa tradicional de TV tende a fazer reflectir a iluminação do tecto se existir no enfiamento.

Panasonic LED TV VIERA TX-50CX800.b

O CX800 possui todas as ligações actualmente necessárias para fazer desta Panasonic o centro de entretenimento lá de casa: 3 HDMI compatíveis com 4K a 50/60p e também compatíveis com o sistema HDCP 2.2., três USB (1 x 3.0 / 2 x 2.0), Wi-Fi, LAN e entrada para cartões SD. Logicamente, e sendo um TV conectável, permite streaming in/out, ou seja, recebe mas também envia para outro equipamento. A marca avisa que é possível enviar sinal áudio/vídeo do próprio TV para outro da marca desde que seja dos mais recentes de 2015, evitando assim caixas e caixinhas, cabos e cabinhos. Infelizmente, não pude comprovar, mas é daquele tipo de funções que são de grande utilidade para quem tem mais que um televisor em casa. E quem não tem?

Mas o que pagamos quando optamos por uma Panasonic, tradicionalmente mais cara que outras propostas que enchem o olho nos corredores das lojas? A qualidade de imagem! Desde os áureos tempos do Plasma que a gigante nipónica excedeu as expectativas e dominou qualitativamente o mercado da imagem ao lado de nomes como a NEC e a Fujitsu. Toda essa dinâmica foi transportada para as novas gerações de TVs, e a marca dotou esta topo de gama com os já mencionados processador e tecnologias, sistemas que em conjunto conseguem um resultado verdadeiramente extraordinário. Pretos densos (quando surge uma pausa num filme parece que a TV se desligou), cores muito equilibradas e realistas, são o veículo ideal para total imersão no que se está a ver. Dei por mim a esquivar-me a todos os canais transmitidos em SD, pois as cores desbotadas, os contornos esborratados, são demasiado evidentes para conseguirmos passar ao lado. Esta dificuldade da CX800 tem paralelo nos demais televisores preparados para 4K, o que em Portugal pode ser um problema, pois 90% ainda são transmitidos, vá lá que estou bem disposto, em “alta definição”.

O que vale é termos à disposição a já famosa TV alternativa… chamada Netflix. A assinatura completa com qualidade 4K torna-se um vício tão grande que esquecemos os operadores cabo. Torna-se evidente a qualidade de um TV topo e a CX800 desarma qualquer tipo de críticas.

E o som, acompanha a imagem? Bom, comparativamente com outros televisores que já experimentei, não é nada mau. Os diálogos têm presença, estão bem definidos e pujantes. O problema são as cenas de acção, um pouco abafadas e sem aquele “punch” tão necessário para acordar os vizinhos. Como a maioria dos televisores modernos, não há milagres, pois quanto mais finos menos espaço existe para as colunas. E elas precisam de espaço, acreditem. Contudo, fiquei até agradavelmente surpreendido, pois é mais que suficiente para uma utilização “normal”. Quanto aos fãs de jogos de consolas e aos amantes de cinema, há sempre a solução que apontou nestes casos: comprem uma coluna externa com subwoofer independente. O mundo muda.

Panasonic LED TV VIERA TX-50CX800 7

Para controlar tudo isto, podemos escolher entre dois comandos, um normal e avantajado cheio de botões, outro mais pequeno (e já habitual na marca) com touchpad e microfone.

Firefox TV

E chegámos à grande diferença relativamente aos mais normalizados sistemas operativos, Android TV e Tizen. A Panasonic optou pela parceria com a Mozilla para renovar a sua plataforma Smart TV, interessante e com bastante qualidade, mas que foi ultrapassada pela nova geração e pela facilidade e multiplicação de aplicações e serviços. Uma das características que destacava as anteriores Panasonic da restante oferta, era a possibilidade de cada utilizador da TV poder ter o seu ecrã de boas vidas, adaptado ao seu gosto, arrumado e com as aplicações preferidas. Mas hoje isso não chega, é preciso ter um computador na TV e todos os fabricantes querem estar na linha da frente. Como exemplos, a Sony optou pelo Android TV, a Samsung continua a apostar no seu Tizen (baseado em Android) e a LG mantem-se firme no seu WebOS, um sistema muito interessante e evoluído.

Panasonic LED TV VIERA TX-50CX800 5

Então, o que nos reserva o Firefox neste novo ambiente? Personalização, conteúdos e aplicações! São estas as diferenças para melhor. Tal como se fosse um tablet, basta pesquisar e fazer o download das Apps que desejamos (ou encontramos) para depois poder usá-las em ecrã gigante. E sim, “o mundo é uma ostra”.

Como topo de gama, é de esperar que consigamos ter acesso à quase totalidade dos parâmetros, pois há sempre alguém que não gosta dos que vêm por default. Neste Panasonic, é fácil aceder ao menu simplificado em que podemos alterar e memorizar tudo à nossa vontade. Gosta de 3D? Também tem. E capacidade para ler ficheiros com legendas, todos os codecs musicais mais comuns, ligação bluetooth para auscultadores, smartphones e tablets, em suma, uma lista de características técnicas que podem estudar ao pormenor no site oficial.

Resumindo

Se gostei dela? Ó se gostei. Uma qualidade de imagem fantástica, muito detalhada e com grande pormenor. Não consegue resolver bem canais de qualidade medíocre, mas até nos faz um favor, “obrigando-nos” a escolher conteúdos de maior ou melhor qualidade. Em termos de som está ao nível das melhores, com grande definição estereofónica e até alguma presença nos graves. Mas para filmes de acção, compensa olhar para colunas externas.

O preço está equiparado à concorrência, não é assustador, mas é alto quanto baste para afastar alguns potenciais consumidores que preferem este tipo de design e construção, mas que depois não conseguem justificar a escolha devido a alguma concorrência inundar as prateleiras com uma política de “terra queimada”. E é pena. A escolha do sistema operativo Firefox pode ser um golpe de mestre. E quem a comprar sabe que pode contar com o upgrade HDR que ainda a destacará mais.

PVP: 1799€

 

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Siga o VoiceBox

QUAL O MELHOR SMARTWATCH 2017?

A ESTREIA EM DUAS RODAS

Vídeo da semana