Headphone-Zone_Sony_EX750NA_Blue

Não são os primeiros in-ear com cancelamento de ruído que experimentei, mas confesso que é todo um conceito que pode parecer estranho… não o sendo. Vou tentar explicar: o cancelamento digital de ruído tenta recriar as condições perfeitas para se poder ouvir a fonte sonora no seu estado mais puro, “apagando” os barulhos do dia a dia, como conversas próximas, som da TV ou o tilintar enervante dos pires e chávenas nos cafés aquando a lavagem (algo que deveria ser totalmente proibido para a nossa mais básica saúde física e mental). Em teoria, é uma excelente ideia, mas na prática as coisas não são um mar de rosas. O ouvido humano, pelo menos o meu, percebe que esta supressão de ruído é artificial e passa uns valentes segundos para conseguir ficar confortável com a nova percepção do mundo, ou seja, a total falta dele próprio. Por vezes, e falo da minha experiência, fica tão atento ao que se poderá passar “lá fora” que amplia qualquer barulhinho por mínimo que ele seja. Estranho, não é?

sony-mdr-ex750na-blue224703_2_Normal_Extra-1-600x600

Por outro lado, esta nova dinâmica que nos remete para uma só fonte sonora e nos adormece o sentido de alerta constante, tem um lugar próprio na sala de estar, numa hora de pausa ou relaxe total, aquele tempo só nosso, mesmo muito nosso, a que nos damos ao luxo (cada vez mais raro) de viver. Mas neste caso, é com uns auscultadores grandes e que me tapem as orelhas, que me deixo ir. Aí sim, com almofadas em pele (ou imitação) e totalmente aderentes ao formado dos meus “acessórios estereofónicos” e conjugado com a supressão digital de ruído, confesso que me deixo transportar apenas pelo que oiço. Mas só depois de enfiar o telefone com a função vibrar ligada dentro do bolso das calças. Mais vale prevenir, certo?

Chegam assim estes Sony MDR-EX750 à mão (ou aos ouvidos) que prometem essa comodidade (outros chamam alheamento) num form factor muito leve, extremamente bonito numa cor viva e diferente dos há muito cansativos preto ou branco. O cabo tem apêndices e são estes que transformam estes auscultadores em algo diferente.

P1080143_

Os Sony MDR-EX750 não são baratos, portanto, têm de mostrar que valem o seu preço. O design convence, a qualidade de construção idem, mas é estranho termos um apêndice rectangular, e algo pesado, quase no final do cabo que se liga à fonte. É aqui que se coloca a bateria (e a ficha microUSB para recarregá-la) que aguenta cerca de 16 horas. Quando termina, podemos continuar a ouvir música, mas da forma tradicional E é aí que sentimos realmente a diferença do On/Off do sistema de cancelamento. Este ligar/desligar está colocado no tradicional sistema de controle que acompanha auscultadores que têm como função dupla as chamadas telefónicas. Este pequeno comando tem um microfone inserido que trabalha conjuntamente com mais dois microfones colocados nos próprios auriculares. Cool, não é? O sistema garante uma excelente qualidade de som nas chamadas, mesmo com vento ou ruídos de rua.

Confesso que tenho grandes e graves problemas com auscultadores in-ear que só foram ultrapassados com as “borrachinhas” que vieram tomar o lugar das esponjas que se montavam em cima de cada auricular: os meus canais auditivos têm um desenho um pouco diferente do normal, e os antigos in-ear magoavam-me ao ponto de ser insuportável usá-los. Isso mudou com as borrachas e tem vindo a melhorar com os novos ângulos de construção. Mas é um problema que se mantém, pois não consigo aguentar os auriculares muito tempo na mesma posição, e com os passos ou os movimentos da cabeça, eles teimam em sair do do sitio ideal. Se nos auscultadores in-ear normais esta situação apenas chateia, nestes Sony mostraram-me duas coisas: que o cancelamento de ruído realmente funciona e que qualquer movimento que os desloque faz uma enorme diferença, mesmo ao ponto de me ocasionar um certo desequilíbrio durante a caminhada.

e1b291cc6d63730d38fd36038ee265e4

A Bose tem uma alternativa com um travão em silicone que é perfeito… mas custam bastante mais que os MDR-EX750. Mas e o som? A Sony sabe fazer estas coisas e tem uma clara noção do tipo de utilizadores que vão escolher este ou aquele modelo de auscultadores. Os modelos in-ear são procurados pelas camadas mais jovens e pelos desportistas, devido ao pouco peso e à possibilidade de se arrumarem num bolso, e não estranhei o facto do som ser muito brilhante, com um bom tratamento na gama aguda e uma excelente definição nos tons médios. Não há milagres neste tipo de formato, e os tons mais graves, principalmente o “punch” dos bombos, por exemplo, têm pouca força. Claro está, tudo muda ao empurrarmos o auscultador bem para dentro do ouvido, e aí temos todo um equilíbrio tonal que seria perfeito se… não caminhássemos.

Sem o sistema de supressão activo, tudo é mais “morno” e ficamos sem parte do brilho que tão bem fica na música pop/rock. No entanto, continua bem detalhado e mais suave, o que se resume num maior conforto de utilização.

Os Sony MDR-EX750 são caros, mas têm um espaço muito próprio, pois não abundam soluções in-ear com cancelamento de ruído. Mas cuidado com a utilização: o facto de nos alhearem do ruído do mundo, pode provocar acidentes. Optem por esta solução quando sabem que estão em segurança, ou seja… parados!

PVP: 199€

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Análises – reviews

Breves

Siga o VoiceBox, um blogue de João Gata